Alunas denunciam professor da Rede Estadual que enviava fotos do órgão sexual por aplicativos de mensagens em Arcoverde; GRE afasta “educador”

Alunas da Escola de Referência em Ensino Médio de Pesqueira, Margarida Falcão, da Rede Estadual de Ensino denunciaram um caso gravíssimo de assédio sexual, atribuído a um professor daquela unidade de ensino.

De acordo com as denúncias, que tiveram início com uma postagem de uma ex-aluna, em suas redes sociais, o professor assediava as alunas com mensagens pornográficas e até com fotos do órgão sexual por aplicativos de telefone.

O Blog de Noélia diz ter em seu poder, vários “prints”, confirmando o assédio sexual e um áudio do diretor da Escola para pais de alunas, minimizando o ocorrido.

Somente após o caso ganhar repercussão na mídia de Pesqueira, em matérias do “Pesqueira Post”, do Pesqueira em Foco e da Rádio Nova Líder, é que a Escola divulgou uma Nota Oficial, isso após o diretor da Escola classificar o episódio como uma mera “fraqueza a qual qualquer um ser humano pode cair”. Novos relatos vieram à tona, com novos “prints” de conversas do professor, divulgados por outras vítimas menores de idade, em que também o professor encaminha fotos do seu órgão sexual para as alunas, o que foi confirmado pela radialista da Nova Líder que entrevistou as vítimas e cujos áudios também nos foram encaminhados ao Blog de Noélia Brito.

“Se são maiores de idade, já passaram pela escola, não são mais estudantes, eu não posso fazer mais nada”, chegou a declarar, em áudio gravado por pais de alunos, o diretor da Escola. Ocorre que os “prints” apontam que o assédio teria ocorrido quando a jovem ainda era menor de idade e aluna da escola. A leniência demonstrada pelo diretor da Escola com caso tão grave, postura que só mudou após a repercussão negativa na cidade, talvez explique o porquê das alunas terem demorado alguns meses para denunciar os assédios, já que não é incomum que machistas tentem responsabilizar as vítimas pelos delitos de seus agressores.

“Se é de cunho pessoal, e são maiores de 18 anos, aí a gente não pode ver como se fosse algo dentro da escola (…), O professor teve essa conversa na sua casa, então não foi nada dentro da escola (…)” Disse o gestor da unidade de ensino em áudio gravado por pais de alunos, em poder do Blog.

Pelos “prints” publicados por uma das vítimas é possível verificar que o professor enviou as fotos de suas partes íntimas e ainda teria pedido que a aluna retribuísse com fotos dela para “animá-lo”.

Após a primeira denúncia, outros relatos surgiram. Indignados, estudantes e demais internautas foram ao perfil da GRE-Arcoverde para cobrarem um posicionamento da Gerência Regional.

A GRE-Arcoverde, de acordo com o Pesqueira Post, bloqueou em seu perfil, no Instagram, mais de 2.500 comentários de internautas, que cobravam um posicionamento sobre os casos de assédio sexual denunciados. Ao Blog da Noélia Brito, o gerente da GRE-Arcoverde, Marcelino Gomes de Araújo, confirmou que a instituição estava ciente das denúncias e que está tomando as medidas administrativas cabíveis. Ainda informa que o professor já está afastado de suas funções e da escola.

Confira na íntegra a Nota de Esclarecimento da Escola, após a grande repercussão do caso:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A EREM PROFESSORA MARGARIDA DE LIMA FALCÃO vem por meio desta nota comunicar a todos que tomou conhecimento dos casos expostos nas redes sociais procurou dentro de suas possibilidades auxiliar na resolução dos mesmos. Esses casos não foram comunicados à escola quando ocorreram e esta só tomou conhecimento quando eclodiram nas redes sociais. Em momento algum nos furtamos de nossa responsabilidade.

Pais e responsáveis foram comunicados que poderiam se dirigir à escola para formalizar suas reclamações. Nosso desejo foi poder orientar as famílias de como proceder e encaminhar o caso para conhecimento da Gerência Regional de Ensino e demais órgãos competentes. O caso que foi exposto nas redes sociais a princípio envolve ex-alunas, isso não reduz sua gravidade, mas limita a nossa ação. É preciso salientar que nunca houve por parte da escola ou de qualquer um de seus funcionários o desejo de esconder nada ou de proteger o professor citado, o que não houve de nossa parte foi a exposição de qualquer uma das partes.

A EREM MARGARIDA FALCÃO segue se colocando à disposição dos seus estudantes e dos seus responsáveis para, dentro de suas atribuições, auxiliar no que for possível. Lamentamos que esse triste episódio esteja sendo usado por algumas pessoas para tentar desqualificar nosso trabalho e denegrir a imagem de alguns de nossos servidores que de forma alguma estão envolvidos nesse triste episódio. Nossa escola sempre buscou levar a todos os seus estudantes os princípios de uma educação integral e a defesa dos direitos humanos. Sempre nos posicionamos contra toda e qualquer forma de preconceito e opressão.

Nos solidarizamos com as famílias e com as possíveis vítimas de assédio, não apenas ex-alunas, mas qualquer pessoa que tenha passado por uma situação semelhante. Confiamos no trabalho dos órgãos competentes que devem ser acionados pelas vítimas e nos colocamos à disposição da comunidade escolar para auxiliar no que for preciso.

O professor, de acordo com o “Pesqueira Post”, apagou os perfis nas redes sociais e até o presente momento não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

Fonte: Blog de Noélia

compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

JATOBÁ >

REDES SOCIAIS >